12 de agosto de 2022

A MINHA MADASTRA VIROU A MINHA PUTA

Olá, me chamo Arthur Claro, sou o autor deste conto fictício com pitadas de realidade,  convido você (leitor(a)) a ler este simples fato que criei, se acomode aonde te deixe confortável, recomendo se haver masturbação deixe para o final do conto. Eu sugiro que leiam os outros contos e sugiram pra mim temas de contos.

Oi, me chamo Wagner, tenho 40 anos, porém o que vou contar aconteceu quando eu tinha 17 anos, eu morava com o meu pai e minha madrasta. Era uma sexta-feira de verão, estava muito calor que eu acordei suado, sai do meu quarto e fui direto para o banheiro, só de entrar no chuveiro foi um alívio e assim que terminei, fui procurar minha madrasta, pois queria perguntar algo pra ela, assim que a encontrei na cozinha, vi que ela esta usando um biquíni azul e era fio dental que se perdia na sua bunda que era avantajada, fiquei excitado na hora, mas tentei disfarçar e isso foi em vão, pois ela me disse que estava morrendo de calor e que estava se preparando para nadar, pois ela sugeriu que eu lhe acompanhasse para ver se também esfriasse um pouco os meus hormônios, rimos e então falei pra ela que tinha acabado de tomar banho e que estava de saída, ela me disse para não me demorar, pois ela queria a minha ajuda, falei que estaria de volta o quanto menos ela esperava. Sai pensando no que ela queria comigo, ela era linda e eu não podia arriscar nada com ela, pois ela é esposa do meu pai e eu sou só o enteado dela, fui fazer o que precisava e em meia hora já estava de volta pra casa, quando cheguei fui direto para a piscina me encontrar com a minha madrasta, ao chegar na piscina vejo que ela está totalmente nua deitada de olhos fechados numa boia, eu fico olhando e admirando em silêncio, quando de repente ela então abre os olhos e me vê, no susto ela vira e cai na água, eu dou risada da situação, ela então começa a gritar comigo e eu continuo rindo, nisso ela diz pra mim parar de rir e que era pra mim pegar a toalha dela, eu então pego enquanto ela sobe pela escadinha para sair da piscina, eu vendo aquela bunda maravilhosa começo a ficar de pau duro, nisso ela chega perto de mim para pegar a toalha e então ela olha pro meu pau e diz:
-Você tá de pau duro por minha causa?
Dou um sorrisinho e ela diz:
-Quer que eu abaixe ele, já que eu levantei?
Fico sem graça, não consigo falar nada e então ela ajoelhou desabotoando a minha bermuda e foi retirando ela com a minha cueca revelando o meu pau, quando ela viu o meu pau começou a sorrir de forma safada e caiu de boca, ela passava a língua na cabeça e engolia até a metade do meu pau, eu tremia de prazer, ela ficava nesse movimento até que eu ficar com vontade de gozar, quando ela percebeu isso, parou e me olhou nos olhos e disse:
- Você tá gostando disso? Você já comeu um cuzinho?
Não deu tempo de eu responder e ela se virou e ficou de quatro exibindo aquela maravilhosa bunda dizendo:
- Você pode me foder com força e gozar no meu cu, pois o seu pai nunca vai desconfiar.
Essas palavras soaram como música nos meus ouvidos, coloquei um dedo na entrada do cu dela e ela suspirou dizendo pra eu meter logo o meu pau no cu, então já que ela insistiu coloquei o meu pau lentamente sentindo cada centímetro adentrando ela e ouvindo ela gemer, quando estava com o meu pau inteiro dentro, ouvi ela dizer:
- Se você fizer direito, poderá me foder sempre que quiser e poderá me chamar de puta.
Eu não imaginava que ela era safada assim, pois na presença do meu pai ela se mostrava ser muito na dela, eu aproveitei dessa situação, comecei os movimentos de bombar, na empolgação dei um tapa na bunda dela fazendo ela gritar, estava tão excitado que cheguei a achar que o meu pau iria explodir de tão duro que ele estava, continuei bombando com força e ela gemendo, até que não me segurei e comecei a gozar, como eu ainda era novo gozei bastante deixando cuzinho dela levemente aberto e transbordando de porra, ela disse pra eu não tirar o pau de dentro, pois ela queria continuar sentindo ele dentro dela, eu obedeci, pois ainda estava com tesão, ela então virou a cara para me encarar, nisso ela disse que estava feliz por ter conseguido satisfazer o tesão que ela estava, pois fazia algum tempo que o meu pai não comparecia, ela complementou dizendo que como recompensa ela iria deixar eu foder ela quando eu quisesse, desde que isso não chegasse ao conhecimento do meu pai, concordei dizendo pra ela ficar tranquila que teríamos outras vezes. 
Eu tirei o meu pau que ainda estava duro lentamente e ele estava todo melado com a minha porra, quando tirei tudo a minha madrasta se virou e caiu de boca limpando ele com a língua fazendo movimentos circulares na cabeça, eu gemia e ela continuava, depois de deixar ele limpinho, ela disse pra eu ajuda-lá ir até o chuveiro da piscina que ela ia se limpar também, por mais que ela gostava de ficar com a minha porra toda no cuzinho, ela então olhou pro me pau e disse:
- Nossa, o seu pau continua duro, você tomou Viagra ou ele demora mesmo pra abaixar?
Dei uma risadinha dizendo que ela me excitou muito com aquela bunda e que eu precisava parar de olhar pra ela, virei de costas deixando ela no chuveiro, dar um mergulho na piscina pra ver se relaxava pra abaixar o meu pau. Vou encerrar por aqui este conto e depois em outra oportunidade conto uma outra vez que nós transamos.

Quero agradecer a leitura, espero que este conto te proporcionou tesão e que te deixou com vontade de retornar a ler mais contos escritos por eu. Hoje não coloquei imagem, pois esqueci de procurar uma boa imagem para ilustrar. Beijos e abraços, até a próxima, em breve pode sair uma continuação ou um novo conto.